IMPLANTAÇÃO

Implantação do conceito BIM

Não pouco são os escritórios pelo Brasil com profundo interesse em crescimento em qualidade, velocidade e integração de novos recursos para seus projetos. Em uma simples pesquisa, mesmo porque as instituições e revistas especializadas não param de falar sobre o tema, estes profissionais encontram um termo chama BIM. E ao verem 30 minutos de vídeos do que ele é capaz, ficam assombrados com as possibilidades e depois com o "vou perder meus clientes se não usar esta m....!" (rs).

Chamamos de processo de implantação o serviço de consultoria em tecnologia aplicada a arquitetura e engenharia no qual tem seu foco na mudança da principal ferramenta de apresentação de projetos, o AutoCAD ou sistema similares, para uma plataforma 3D criada e desenvolvida já dentro deste conceito BIM.

É interessante constatar que esta mudança é bem mais radical do que a mudança da prancheta para o desenho 2D. A expressão gráfica é basicamente a mesma no mundo 2D (apesar de eu achar o desenho à mão bem mais bonito e artístico). Nesta migração, a forma com que o "desenho" é elaborado é bem mais rica em informações e detalhes. Não se representa paredes com linhas e sim com volumes com espessuras, altura e materiais. Tanto que é corrente o uso do termo "modelo" para se referir ao desenho elaborado numa plataforma BIM.

Minha intenção neste artigo é, de alguma forma, dar um direcionamento para os que pretendem ou estão em algum processo de implantação BIM. Depois de mais de 5 anos envolvido ininterruptamente com estes processos, atendendo empresas em São Paulo, Belém, Niterói, Rio de Janeiro, Vitória, Brasília, Aracaju, Curitiba e Campinas e ainda em diversas modalidades de empresas e tipologias de projetos, penso que serão dicas valiosas até mesmo para meus colegas consultores com os quais, sempre que posso, troco informações e experiências.
Quando estamos falando de projetos, diversos grupos com interesses e formatos distintos devem ser considerados. No esquema ao lado temos os grupos macros em destaque. Destes, decorrem uma infinidade de variações como, por exemplo, escritórios de arquitetura para interiores que, em geral, não trabalham com projetos executivos de prédios corporativos que em alguns casos não fazem projetos de indústrias. Entender este fato, ajudará a escolher a matriz de implantação e até mesmo a definição da melhor consultoria aplicada à cada caso.

Pode-se ainda agregar novos consultores para áreas distintas caso o porte e os objetivos assim o exijam. Podemos citar por exemplo:

  • Arq. Karina Matias (karina@ciaarq.com.br) para equipes e coordenação;
  • Arq. Vanessa Orlandine (consultoriabimorlandini@gmail.com) para projetos de sistemas prediais de engenharia;
  • Arq. Sérgio Leusin (sergio.leusin@gdp.arq.br) para governo e universidades;
  • Eng. Carlos Cabral (carlos.cabral.salles@gmail.com) para construtoras e incorporadoras;
  • Arq. Rogério Suzuki (rogerio.suzuki@rsconsult.com.br) para áreas de planejamento e facility management.

A parceria entre consultores fortalece e amplia a qualidade do processo de implantação.

Embora os diversos grupos possuem interesses distintos, existe uma matriz comum a todos eles, o que eu chamo de matriz base. Obviamente que ela irá variar conforme a estratégia e experiência da consultoria. Esta é então a "minha" matriz base (rs).
Todo o processo de implantação começa com um bom planejamento. Nesta fase inicial são esclarecidas às diretorias e a toda a equipe, o que é mito e o que possível com a tecnologia BIM. Depois disto, os objetivos serão traçados regulando métricas, formatos, conteúdo, qualidade e datas. Aqui são estudadas os processos internos e os projetos ditos modelos para referência. Há ainda a indicação dos softwares a serem adquiridos ou atualizados bem como a análise dos equipamentos e rede a serem adquiridos, substituídos ou atualizados. O consultor monta então uma primeira proposta de estratégia considerando os prós e contras.

Com os dados definidos, inicia-se um processo de customização de softwares, banco de dados, banco de famílias (blocos) e até mesmo a construção de plugins específicos. Paralelo à esta fase inicia-se os treinamentos em formato de ensino à distância (EAD).

Sendo um processo que levará todo o período de implantação provavelmente, é iniciado então a construção do BIM Mandate que é simplesmente o manual de modelagem daquela empresa ou instituição. O cuidado com este material é fundamental pois ele regerá entregáveis, padrão de qualidade, contratos e licitações.

Com o fim de grande parte da customização e os participantes da implantação já devidamente treinados em plataforma de EAD, inicia-se a fase de treinamento presencial. Aqui, exercícios são invariavelmente projetos já executados do próprio escritório. Nesta fase haverá a consolidação e aprofundamento do conhecimento abrangente do EAD. Alguns grupos poderão ter diversos treinamentos bem como outros apenas um. Por exemplo, os escritórios de arquitetura para projetos executivos de prédios corporativos terão pelo menos os cursos básico de estudos de viabilidade, projetos de prefeitura, projetos executivos, edição de famílias e coordenação de projetos enquanto algumas construtoras tendem a receber um único treinamento de coordenação. Veja todos os módulos aqui.

O projeto piloto é tão somente a prática do que até então foi apenas teoria e customização. É um projeto novo com prazos e exigências e clientes. Nesta fase a consultoria deve acompanhar de perto todos os passos dos membros escalados para sua execução. Usamos os recursos de visitas periódicas, Dropbox e Skype para o suporte técnico, que aliás, terá maior atenção por conta dos prazos definidos. Aqui ajustes e adaptações em templates, famílias e BIM Mandates são bem comuns. Dependendo do porte da empresa e de suas peculiaridades, será necessário mais de um projeto piloto para que a empresa comece a andar sem o presença constante da consultoria.

Inicia-se então a fase de suporte técnico na qual dúvidas e usabilidade de programas, comandos e plugins são revisados dando maior garantia ao investimento feito com o processo de implantação BIM. Um suporte seguro com os recursos do Dropbox e Skype para vídeo-reuniões.

Todo o processo exige um certo trabalho e comprometimento mas já nos primeiros meses os resultados são palpáveis e a equipe sempre vai se motivando a cada nova etapa e novo treinamento. Entrar no mundo BIM é um caminho sem volta.

David Silva Pinto/Consultor BIM

Links importantes:

Tese Barison - http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3146/tde-21032016-101815/pt-br.php

Guia de Orçamento de Obras Públicas - TCU - http://portal.tcu.gov.br/biblioteca-digital/orientacoes-para-elaboracao-de-planilhas-orcamentarias-de-obras-publicas.htm

Tese Érica - https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/15295